A Naturopatia é um sistema de cuidados de saúde primários e continuados que juntamente com a participação ativa do paciente permite o equilíbrio da sua saúde fisiológica, física, mental e emocional.
A Naturopatia rege-se pelos seguintes três grandes princípios:

  • O poder curativo da natureza ou Vis Medicatrix Naturae: que preconiza a existência de uma “força vital” que promove a auto-cura ou auto-equilíbrio do organismo;

 

  • O Holismo: que representa a conexão e interação entre os componentes estruturais, bioquímicos, mentais e emocionais do paciente. A disfunção numa área leva invariavelmente a um ou mais distúrbios noutra(s) área(s) do organismo;

 

  • A individualidade: As pessoas são, geneticamente, bioquimicamente, estruturalmente e emocionalmente diferentes umas das outras. Cada pessoa responde de maneira diferente às agressões de que é alvo, sejam elas mentais, emocionais, estruturais, nutricionais, sociais ou culturais.
    Em Portugal, a Naturopatia tem o seu enquadramento legal tanto na Lei 45/2003 como na Lei 71/2013, que vem regulamentar a primeira e cujo processo de regulamentação se encontra em curso, estando ainda enquadrada na Lei de Bases de Saúde (Base 26 – Terapêuticas Não Convencionais).
    Portugal tem dado importantes passos no sentido da total integração da Naturopatia no seu Sistema Nacional de Saúde, seguindo diretrizes específicas Organização Mundial de Saúde.
    Independentemente do momento em que se encontra o processo de regulamentação da Naturopatia no nosso país e no restante espaço europeu, o recurso a uma abordagem natural e holística na promoção da saúde é uma realidade em praticamente toda a sociedade ocidental dos dias de hoje.